fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Estrangeirismo exagerado
Array

Estrangeirismo exagerado

                                          
Por: João Vicente Machado


No ano de 1985 fui agraciado com uma proposta da CAGEPA  para fazer um curso com duração de um ano na Escola Nacional de Saúde Pública da FIOCRUZ, na cidade do Rio de Janeiro, em companhia do amigo Uélio  Joab de Melo Viana de saudosa memória.

Como local de moradia encontramos um apartamento no agradável  bairro de Laranjeiras, um  local adequado às nossas necessidades e de boa qualidade de vida.

Tenho recebido ao longo da vida profissional na CAGEPA, além da contrapartida do meu trabalho em forma de salário, outros presentes sentimentais tanto da empresa como dos colegas de trabalho.

O primeiro presente foi a oportunidade que tive de conviver por um ano naquele centro de excelência e referência nacional em saúde pública que é a FIOCRUZ que me enriqueceu significativamente  em conhecimentos técnicos, como   em visão social do papel do engenheiro, em visão de mundo.

O segundo presente me foi dado ao longo da minha vida profissional, com a convivência e o aconchego de uma verdadeira família formada por  todos os colegas de trabalho, do mais humilde contínuo ao técnico de nível superior mais qualificado.

Guardo a CAGEPA na alma e enquanto tiver força física e intelectual darei o meu melhor a essa empresa, principalmente agora nesse momento em que a insanidade resolve transformar a água em mercadoria. 

Mas voltemos ao bairro de  Laranjeiras e ao desenho urbano do local onde eu morei. Ele foi traçado em orbita elíptica, delimitado pelas ruas general Ortiz Monteiro, rua em que  nós morávamos, a rua  Cristóvão Barcelos no lado oposto, além da rua principal, de nome General Glicério que é o  eixo que liga o sitio urbano  de 11 edifícios de ambos os lados à rua das Laranjeiras. Esta tem como trecho final a rua Cosme Velho, famosa por ter tido como ilustre  morador o escritor Machado de Assis, chamado O  Bruxo do Cosme Velho.

Pelo que ouvi dos moradores dos quis me aproximei mais, naquele  local funcionava uma fábrica têxtil de propriedade de um pernambucano de Taquaritinga do Norte, que depois foi  transformada em área construída.

No local foi erguido  um  conjunto de  edifícios de 10 andares mostrados na foto panorâmica do Google Eart. Reza a lenda que o proprietário assentiu com a construção, desde que os nomes dados aos edifícios fossem de cidades da sua região de origem. 

Os construtores e incorporadores cederam às exigências impostas provavelmente levando em conta que  em termos mercadológicos não teriam maiores dificuldades em comercializar os apartamentos. 

Bairro das Laranjeiras – Rio de Janeiro
Fossem prédios construídos em Copacabana, Ipanema ou no  Leblon (a Barra da Tijuca ainda não existia), talvez o discreto charme da burguesia torcesse o nariz para o local. Como os imóveis eram no bairro de  Laranjeiras, que  apesar de ser um bairro  da zona sul não exerce tanta sedução.  E assim vieram os nomes caboclos, quase todos derivados do tupi Guarany:
Taquaritinga, Itaquitinga, Aliança, Carpina, Timbauba, Condado, Tracunhaém,  Vertentes,   Surubim etc.
Mutatis mutandis, (valei-me Ronilton Lins e Kissia  Polyanna) aqui na Parahyba acontece o que talvez não seja da vontade dos construtores, pois sendo eles vendedores como são, atendem aos anseios do cliente e estão atentos aos devaneios do mercado e  até aos caprichos das dondocas de plantão, grande parte delas  acometidas do famigerado complexo de vira latas que não lhes permite aceitar um nome que não seja revestido do  charme das “coisas lá de fora” como costumam dizer.

Nessa toada aqui na terrinha vão surgindo os nomes cada vez mais internacionais, e exóticos:
Maison Saint Louis, Royal Palace, Coliseum,  Chalize, Walross, Grand Mare Club, Tours Mont Blanc, Aquamare, Ultramare, Saint German, Almanara, Tour Geneve, Saint Michel, Phaternon, Fontana Di Mare, Greenmare,  Ilha de Thassos.

Até mesmo as edificações mais populares sofrem o contágio da pandemia burguesa.

Referência:  observações pessoais de João Vicente Machado e depoimentos verbais de: Paulo Cearense, Garcia Maranhense, Jazon Mineiro além dos cariocas Paivinha, Miltinho médico e Miltinho Cantor, todos eles frequentadores do bar de seu Max e dona Nazaré, ambos portugueses de nascimento.
Fotografia: Google Eart

Relacionados

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

3 COMENTÁRIOS

  1. Não querendo fazer comparações "Deus me livre de tal pretensão" mais acho que o mesmo está acontecendo com os ANIMAIS onde vimos hoje nomes de PETS cama vez mais de humanos dos geralmente acontecia no passado. Na minha época os cachorros eram chamados de : " Baleia, Piaba, Negao, etc". Hoje fico até com um pouco de medo de encontrar um PET com meu nome( imagina) VANILSON pra cá, Vanilson pra lá. Seria uma verdadeira catástrofe.

  2. Pelo visto essa política de marketing dos construtores e incorporadores terá de ser repensada.
    Fico feliz em ter podido levantar e animar esse debate por entender que a língua pátria precisa ser preservada. Se vamos ao comércio as placas das lojas são um acinte e até lojas de produtos regionais deturpam a nossa flor do lácio KOISAS DO SERTÃO.
    Se procuramos alimentos para entrega ele vem em DELIVERY. Com os nomes: IFood, Rappi, Uber Earts etc.
    Vamos resistir a isso.!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...