fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início O discreto charme da burguesia
Array

O discreto charme da burguesia

Por: João Vicente Machado
O título do texto relembra um filme do francês Luis Buñuel, gravado em 1972 e narra a estória de um embaixador rico e seus pares burgueses que aparecem em grupo, na casa de uma anfitriã que os esperava em outra ocasião, e de surpresa, resolve levá-los a um restaurante onde o gerente tinha morrido.

 Encontraram os garçons pranteando o chefe e o grupo acaba ficando sem o jantar por sucessivas tentativas fracassadas.


Vali-me do filme para emoldurar a minha historia tupiniquim, também reveladora dos caprichos do baronato.

Há alguns meses passados, um grupo de madames da praia do Cabo Branco tomou uma decisão arbitraria preconceituosa e desumana, resolveram “proibir” o acesso à praia das pessoas paraplégicas, conduzidas pelos seus cuidadores. 

Alegavam, pasmem que a presença deles enfeava a bela paisagem marinha daquele pedaço. 
     Esse fato deprimente provocou a repulsa da cidade, que em grande número incorporou a causa, solidarizando-se com os deficientes indefesos, vítimas da sanha de um grupo de dondocas audaciosas. 

  Passando hoje por lá e vendo a praia desertificada, verifiquei a ausência das dondocas que moram em frente, certamente trancafiadas nos seus apartamentos temendo o covid-19.

É de se dizer: O castigo vem a cavalo!
Relacionados

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

3 COMENTÁRIOS

  1. A audácia e pretensão da burguesia não tem limites. Classe arrogante, cafona e deselegante que só olha para o próprio umbigo. As dondocas não tem o que fazer ou no que pensar a não ser conspirar futilidades, aliás, é só o que conhecem, por isso, saem por aí distribuindo maldade. Este bendito vírus veio para colocar as coisas em seus devidos lugares. Cada rei no seu trono e cada palhaço no seu circo. Uma nova era está sendo instaurada. Viva!!!!

  2. Incrível! Acontece que as dondocas do Cabo Branco além de tudo são burras . Aquelas mais inteligentes certamente as piores, procuram disfarçar com alegações fajutas. No caso em apreço seriam muitas

    Não tenho dúvidas de que este VIRUS tem uma razão de ser

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...